Arquivo da categoria: Reportagem

A FORÇA DO CAMPO

Padrão

Entre os dias 5 e 8 de julho, a Serraria Souza Pinto, em Belo Horizonte, recebeu a 7ª Feira de Agricultura Familiar de Minas Gerais (Agriminas).

E o Guia Instinto Verde esteve lá para conferir!…

por Diana e João

Imagem

O evento teve dois grandes objetivos. O primeiro foi colocar pequenos produtores a par das inovações no campo e em contato com o mercado consumidor, além de articular cooperativas de diversas regiões do estado de Minas Gerais. O segundo foi atrair e oferecer essa rica produção (nem sempre valorizada) para moradores da capital. A equipe da Agriminas estima que 50 mil pessoas tenham passado pelo local nos quatro dias da feira, que também promoveu palestras de capacitação para agricultores e shows de músicas regionais. Mas o destaque mesmo foi poder conhecer e comprar produtos trazidos de várias regiões, comunidades e associações.

Logo na entrada da feira, muitas barracas ofereciam quitutes mineiros de encher as vistas: beju, tapioca, pão de queijo recheado, rapadura, bolachinhas diversas e mais um bocado de gostosuras.  Além da culinária, o norte de Minas estava muito bem representado pelas famosas cachaças (a degustação foi muito bem apreciada pelos repórteres do blog).

Uma das muitas marcas de cachaças que puderam ser degustadas e compradas durante a Agriminas

Imagem

Barraquinha de biscoitos trazidos do Jequitinhonha

Imagem

Barraca de tapioca de Rio Pardo de Minas

Imagem

Doce de leite, licores e biscoitos de Senhora de Oliveira

Outro ponto positivo foi a possibilidade de interagir e prosear com esses produtores, verdadeiros guardiões de ensinamentos e modos de vidas transmitidos por muitas gerações. Andando pelos corredores, conhecemos Valter Soares, da Comunidade Caldeirão (Itinga). Por iniciativa própria, ele começou a fazer há muitos anos um banco de sementes de plantas da região ameaçadas de extinção. Como nos contou, certa vez foram a sua casa e lhe ofereceram R$ 15 mil pelas sementes. Seguro do valor do que faz, ele não só negou como devolveu para visitante importuno: “Pode levar suas pratas porque isto aqui é o meu ouro”. Hoje, toda a comunidade ajuda na formação do banco de sementes, que já conta com um imenso galpão.

Imagem

Seu Valter Soares, de Itinga, mostrando e vendendo as suas sementes

Imagem

Fotos da criação do banco de sementes de Itinga pela comunidade Caldeirão

E para representar iniciativas como essa e trabalhos de artesanato à culinária, muitas outras cidades estavam lá para dar sua contribuição e comercializar seus produtos, como Almenara, Paracatu, Rio Pardo de Minas, Virgem da Lapa, Capela Nova, Muzambinho, Alfenas, Itaúna…

Imagem

Cabaças e pimentas trazidas de Paracatu

Imagem

Patchwork das mulheres de Almenara

Imagem

O tear de Muzambinho

Imagem

Queijos e sorvetes feitos com leite de cabra por produtores de Alfenas

Imagem

Mudas de hortaliças também foram vendidas durante a feira

Imagem

Olha a Diana mostrando o artesanato em madeira de Itaúna

Apesar de a feira ser voltada para a agricultura sustentável e, principalmente, familiar, o Guia Instinto Verde sentiu falta de estandes que mostrassem e valorizassem a produção de orgânicos. No dia da visita que fizemos à feira, apenas um estande mostrava e vendia café orgânico de Piedade das Gerais, sul de Minas.

Imagem

O delicioso café orgânico produzido no sul de Minas

  • O olhar do blog:

O Guia Instinto Verde aprovou e achou valiosa a iniciativa de reunir comunidades e famílias de produtores. Muito provavelmente, quem passou por ali não tem contato direto com trabalhos que carregam valores e técnicas em desuso nesta época de produção em larga escala – que tirou muitas famílias do campo, deixando-as em condição de pobreza nas cidades, e diminuiu radicalmente a qualidade daquilo que chega às nossas casas.

Portanto, para garantir a qualidade de vida do nosso presente e futuro, o primeiro passo é simples: repensar a relação que temos com o campo e buscar as lições que vêm dali, como a simplicidade, o respeito e trabalho em comunidade..

Inté!

Anúncios

DE BEM COM A VIDA E COM A CONSCIÊNCIA

Padrão

O Guia Instinto Verde visitou o 5º Festival Andando de Bem com a Vida e constatou alternativas de práticas mais saudáveis de consumo e convívio

por João Marcos Veiga

Sob a sombra das palmeiras imperiais, um grupo aguarda para experimentar uma sessão de quirofonética, prática terapêutica que busca promover o equilíbrio humano, já outro faz fila para canalizar energias através do reiki. A poucos metros dali, um senhor recebe explicações sobre como a pecuária gera diretamente 80% do desmatamento no bioma amazônico e é responsável por 18% das emissões globais de gases causadores do efeito estufa. No ponto oposto, ouvidos atentos para um jovem que contextualiza as principais utilizações de placas solares feitas de células fotovoltaicas. Já do lado de fora do jardim, jovens mulheres tiram os calçados para entrar na tipi-tenda Pachamama, semelhante a uma oca indígena. Ali dentro, elas discutem as “cartas do caminhado sagrado”, parto domiciliar e questões ligadas a feminilidade. O detalhe é que a tenda foi montada sobre o asfalto em uma das vias mais movimentadas de Belo Horizonte.

No último fim de semana, entre os dias 29 de junho e 01 de julho, a Praça da Liberdade e algumas ruas de seu entorno receberam o 5º Festival Internacional Andando de Bem com a Vida. O objetivo do evento é “multiplicar idéias que despertem a consciência através do reconhecimento de práticas e saberes culturais que visam a saúde tanto para o indivíduo quanto para a sociedade e o Planeta Terra”. E a proposta não ficou apenas no discurso subjetivo. Os 47 estandes montados na praça apresentaram uma diversidade de alternativas de consumo sustentável e de práticas que direcionam para um convívio mais saudável, espiritualizado e inteligente em nosso dia-a-dia. Com uma programação totalmente gratuita, o tom do encontro não foi de partidarismo ou catequização de ideologias, mas sim de liberdade para conhecer e experimentar.

A prática do reiki é aplicada gratuitamente nos participantes da feira

O universo feminino é discutido dentro da  tipi-tenda Pachamama

    A Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) convidava para a “segunda sem carne – descubra novos sabores”. Muitos estabelecimentos já aderem ao programa de oferecer um cardápio sem carne nesse dia da semana, como forma de estimular uma refeição mais saudável e condizente com os dilemas ambientais. Já o projeto Espiralixo ensinava como criar uma caixa digestora para transformar o lixo orgânico caseiro em adubo natural (húmus). Espaços ligados a universidades apresentaram novas tecnologias sustentáveis, ministraram oficinas e distribuíram mudas de árvores. Palestras de antroposofia, meditação, aulas de yoga e ensinamentos de Seicho No Ie propunham uma expansão da mente baseada em conhecimentos milenares. Técnicas de artesanato em grupo produziam belas e coloridas mandalas. Instituições e empresários trocavam experiências da agroecologia em uma feira com direto a showroom.

A artesã e astróloga Alexia ensina a fabricar o Olho de Deus – Si’kuli (olha a dona do blog sentadinha ali aprendendo!)

O festival, que acontece anualmente, também oferece um agradável espaço de convivência. Famílias, namorados e amigos curtiam a tarde de outono experimentando deliciosos salgados integrais e fazendo compras de alimentos orgânicos. Durante todo o dia, uma programação musical trouxe shows de artistas compromissados com a temática do evento, como Marcus Viana e Gabriel Guedes.

No espaço do Centro de Estudos Védicos e Bhakti-Yoga Hare Krisna, cantos e palavras sagradas eram evocados pelos praticantes, que portavam vestimentas de cores fortes e tocavam instrumentos típicos, como o bhajan. A palavra “mantra” significa ‘mente” (man) e “libertação” (tra).  A variedade de estilos, roupas e comportamentos tanto do público quanto dos responsáveis pelos estandes deixava claro que não existem regras a serem seguidas, mas sim uma urgência de se discutir os rumos da existência em sociedade.

As tendas de quitutes venderam produtos vegaganos e orgânicos, tais como sucos com leite de arroz e agave e esfirras integrais de folhas verdes e castanhas. Tudo uma delícia!

O Guia Instinto Verde verificou no encontro que um comportamento mais consciente já não está mais fadado à resistência e ao isolamento. Através do 5º Festival Internacional Andando de Bem com a Vida é possível ver a existência de grupos que se articulam, contestam modos dados como únicos pelo capitalismo e apresentam alternativas ao alcance de todos (um marmitex de comida vegetariana e um site que permite escolher e receber verduras e frutas orgânicas em uma cesta na comodidade de sua casa) . Passeando pela praça mais famosa de BH, constatamos que a liberdade caminha lado a lado com a responsabilidade, seja na hora de se alimentar, se deslocar ou escolher um estilo de vida.

* Acesse o site do festival e conheça melhor as instituições, ONGs, empresas e grupos ligados ao evento.